Clínica de Recuperação

Muitas pessoas acreditam que beber álcool de vez em quando não é prejudicial à saúde. O que muitas pessoas não sabem são os efeitos que o consumo excessivo pode causar a curto ou longo prazo.

Segundo Carolina Pimentel, gastroenterologista do hospital estadual de transplantes de São Paulo, quanto mais etanol houver no corpo, melhor será o funcionamento do fígado, pois o órgão é responsável pelo metabolismo do organismo. “Outras funções estão comprometidas porque o fígado se desvia dessa urgência e danifica o metabolismo”, explica ela.

Outro fator importante causado pelo álcool é a sobrecarga dos rins. O etanol inibe a função do hormônio diurético, que faz com que o organismo não perca muita água, fazendo com que os rins parem de concentrar sua urina, fazendo com que eles percam mais água do que o normal. “Como o corpo faz grandes esforços para expandir a substância quando bebe, ela deve ser diluída em água e excretada na forma de urina, o que leva à desidratação”, diz ele.

Se uma mulher bebe mais de 20 gramas de etanol por dia por mais de 10 anos, ela corre o risco de desenvolver cirrose hepática. Nos homens, a quantidade consumida pode chegar a 60 gramas por dia”, explica ela.

Mas o médico adverte: “Todo corpo reage de certa forma, tudo depende de como é consumido, do tipo de bebida, da freqüência e do sexo da pessoa. O álcool também acelera o metabolismo, aumenta a pressão arterial, o que faz a pessoa suar mais e faz com que ela perca minerais.

Nosso corpo tem uma barreira que separa as toxinas para que elas não possam alcançar o cérebro. Entretanto, o etanol é capaz de superar esta barreira no córtex cerebral, responsável pelo nosso movimento, e atinge o cerebelo, a parte que regula o equilíbrio, aumentando a capacidade de coordenar e desacelerar certas funções.

Se você enganar aqueles que pensam que não estão mostrando os efeitos do álcool, você não tem nenhum problema. “A pessoa que não se embebeda não tem esses efeitos, mas eles ocorrem no corpo. Este é o perigo do álcool, pensando que a pessoa está bem sem sintomas. Os sintomas de consumo crônico podem durar muito tempo e, quando ocorrem, já podem ser um sinal de doença avançada”, explica Pimentel.

O médico diz que é importante beber com moderação, estar sempre bem hidratado, evitar a exposição ao calor e comer bem, pois o jejum aumenta os sintomas da bebida.
Além da cirrose hepática, o álcool pode causar doenças do sistema nervoso, demência, problemas cardíacos como cirrose, câncer pancreático, alterações no intestino, resíduos musculares, falta de apetite e desnutrição.

Qualquer pessoa que beba grandes quantidades, diariamente ou não, deve falar com seu médico para fazer exames e examinar os sinais de comportamento hepático causados pela bebida.

“Em última análise, beber grandes quantidades pode ser tão prejudicial quanto o consumo diário. Os alcoólatras não são apenas aqueles que bebem todos os dias”, conclui ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *